Setor de consumos essenciais têm aumento de faturamento no ES durante a pandemia

Regras de isolamento social e funcionamento exclusivamente de atividades essenciais impactaram os demais setores substancialmente, afirma auditor

0
Foto: Reprodução

Alguns setores econômicos no Espírito Santo apresentaram variação positiva no faturamento entre março e a primeira quinzena de maio, comparado aos números do mesmo período do ano passado. As informações estão disponíveis no Boletim da Receita Estadual: Impactos econômicos do novo coronavírus (Covid-19). Outras áreas tiveram resultados significativamente menores.

É possível notar que houve o aumento de faturamento no setor de consumos essenciais, como comida, bebida e medicamentos.

Os setores com aumento no faturamento, em maior destaque, são: hortifrutigranjeiros, que teve alta de 29,4%, seguido por Transporte (+ 28,2%), Minimercados (+26,6%) e Carnes e Pescados (+26,4%).

Também tiveram variação positiva: bebidas (+20,9%), Alimentos (+20,1%), Supermercados (+18%), Produtos Farmacêuticos (+14,7%), Insumos Agropecuários (+10,3%) e Panificação (+9,4%).

Valores negativos

Os demais setores foram impactados pela pandemia. Os que tiveram maior redução foram de calçados (-63,8%), joias e relógios (-62,2%), além do de vestuários (-58,2%).

Em seguida, estiveram Artigos de Ótica (-54,1%), Material Esportivo (-46,2%), Restaurantes (-43,7%), Cama, Mesa e Banho (-39,9%), Cosméticos (-38,5%), Móveis (-30,5%) e Combustíveis (-21,5%).

De acordo com o auditor fiscal e diretor do Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Estadual (Sindifiscal), Geraldo José Pinheiro, diferentemente do setor de consumos essenciais, os resultados foram afetados substancialmente pelas medidas de distanciamento social.

Contrariamente, em setores em que o consumo pode ser adiado, foi constatada redução substancial no faturamento, em especial no caso dos combustíveis, diretamente afetados pelas regras de distanciamento social que impõem diminuição da circulação de veículos“, argumenta Pinheiro.

A arrecadação de tributos estaduais em maio teve queda em torno de 30%. Segundo o auditor, o número foi também impactado pelas regras de isolamento social e permissão de funcionamento exclusivamente de atividades essenciais.

Veja aqui o boletim na íntegra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui