MP-ES pede prorrogação de afastamento da prefeita de Presidente Kennedy por mais 180 dias

De acordo com o documento, enquanto esteve presa, Amanda recebeu visita de duas servidoras municipais

0
Prefeita Amanda Quinta - Foto: Reprodução

O Ministério Público do Espírito Santo (MP-ES) requereu à Justiça a prorrogação do afastamento da prefeita de Presidente Kennedy, Amanda Quinta Rangel, por mais 180 dias. A prefeita e outras seis pessoas, incluindo secretários municipais, foram denunciados na Operação Rubi, deflagrada em maio deste ano.

O requerimento foi feito pelo subprocurador-geral de Justiça Judicial, Josemar Moreira. De acordo com o documento, enquanto esteve presa, Amanda recebeu visita de duas servidoras municipais, que ocupavam cargos administrativo e de gabinete da prefeitura. Elas teriam se apresentado inicialmente como advogadas, de acordo com a Secretaria de Estado da Justiça (Sejus).

A prefeita afastada conseguiu habeas corpus e havia deixado a prisão recentemente. Amanda e alguns dos envolvidos no esquema tiveram a prisão preventiva convertida em medidas cautelares diversas.

O MPES argumenta que “a denunciada manteve sua rede de contatos locais para garantia do controle político-administrativo sobre a máquina pública, segundo seus desígnios”, contrariando determinação que o afastava por inteiro da função pública.

Portanto, diante da fundada possibilidade de uso da posição de poder e ascendência hierárquica para opor embaraços à coleta de provas e à devida instrução processual, é necessário o seu afastamento cautelar como medida adequada à garantia/proteção contra novas investidas criminosas”, diz trecho do documento.

Terceiro requerimento

Em 20 de maio deste ano, a prefeita e dois secretários municipais tiveram o afastamento dos cargos ampliado de 60 para 180 dias. Na ocasião foi vedado o acesso deles a qualquer repartição pública municipal, das quais devem manter distância mínima de 100 metros. As medidas acatadas cautelarmente estão entre os pedidos feitos pelo MP-ES na primeira denúncia contra os sete investigados no caso.

Diante da proximidade do término do prazo, o Ministério Público requereu, em 31 de outubro de 2019, nova prorrogação do afastamento cautelar de Amanda Quinta e de todos os demais denunciados que estejam eventualmente exercendo cargos públicos por mais 180 dias. O requerimento está sendo apreciado pelo relator do processo no Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo (TJES).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui